quinta-feira, 3 de agosto de 2017

FicRec: HP

D.S.S. Requirement byesama


Summary

The Dumbledore's Army use the Room of the Requirement to get themselves a spaceship.

(Knowledge about Stargate is not necessary to read this story)


Series

Part 1 of Wizards IN SPACELanguage: English Words: 30,914 Chapters: 10/10Comments: 296 Kudos: 2131 Bookmarks: 613Hits: 38328

sábado, 5 de maio de 2012

Neville is very much a Gryffindor [1/1]

Title → Neville is very much a Gryffindor
Summary → At the end of the 1st year feast, Dumbledore and Neville have a small conversation.
Status → Complete (oneshot drabble).
Category → Gen.
Rating → K.
Spoilers → HP & The Philosopher Stone (has some smaaaallll spoilers of the DH, but, really, nothing crucial).
Main characters and/or Ship → Neville Longbottom & Albus Dumbledore.

Hi! This is a very short fic (just 325 words!) that came to my mind and wouldn't leave until I wrote it. So here it is.
My usual warning: I'm not a native English speaker ...aaaand I don't have a beta, so any mistakes you see are very much my own. Please point them to me, that way I can learn and everyone will be happier on future fics =)
Also, Harry Potter and all other characters, situations and places aren't mine, or I would be writing original works. BTW, I don't make any money with this, so don't sue me!




Dumbledore raised his hand. The room gradually fell silent. 

“There are all kinds of courage,” said Dumbledore, smiling. “It takes a great deal of bravery to stand up to our enemies, but just as much to stand up to our friends. I therefore award ten points to Mr. Neville Longbottom.” 

Someone standing outside the Great Hall might well have thought some sort of explosion had taken place, so loud was the noise that erupted from the Gryffindor table. Harry, Ron, and Hermione stood up to yell and cheer as Neville, white with shock, disappeared under a pile of people hugging him. He had never won so much as a point for Gryffindor before. Harry, still cheering, nudged Ron in the ribs and pointed at Malfoy, who couldn’t have looked more stunned and horrified if he’d just had the Body-Bind Curse put on him. 

{Harry Potter and the Sorcerer’s Stone}

The small first year approached the Professor’s Table, taking care to round it by the side that wasn’t occupied by Professor Snape. His goal was sitting there at the center, wearing bright blue robes and observing the children.

“Headmaster Dumbledore, can I ask you a question?”

“Of course you may, Mr. Longbotton. Obtaining an answer is what isn’t always certain”, said the Headmaster, eyes sparkling at the sight of the nervous pupil.

“Professor, do you really think that it was brave of me to stand up against Harry like that?” The huge innocent eyes of the student blinked at Dumbledore.

The old wizard, looking upon him with benevolence, replied:

“Let me tell you a story, Mr. Longbotton. It happened long before you were even born and I was just a young man, only a few years older than you are now.”

“I had a friend that was very dear to me, but he had very strong ideas about how the future of the wizarding world should be. And I knew his plans weren’t very nice, but I loved him and didn’t want to jeopardize our friendship, so I did nothing.”

Dumbledore said, looking up at the enchanted ceiling of the Great Hall, his eyes lost in the past.

“But he went to far and had to be stopped anyway. By then, he had caused too many damage, had hurt too many people, for me to save him.”

“Hum… Professor? I don’t think Harry would do anything really, really bad… It’s just… He’s not very careful…” Said the boy, grasping his hands together.

“That he isn’t, isn’t he?” The director replied smiling. “Now, go enjoy the remaining of the feast, Mr Longbotton.”

As the student returned to his table, the Headmaster was left there, watching him go and contemplating what the future would bring that boy  - and the other one.

Hoping that they would never have to make the same choice he had to do.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Quem dera!



I write like
J. K. Rowling
I Write Like by Mémoires, journal software. Analyze your writing!


Achei interessante esse analisador - e eu bem que queria escrever como a Rowling.
Só para textos em inglês.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Interlude [1/1] - Translation

Title → Interlude
Summary → After the great battle of Hogwarts, Hermione allowed herself to sigh.
Status → Complete (oneshot).
Category → Gen (if you want, it could be pre-HP/HG)
Rating → PG-13.
Spoilers → HP & The Deathly Hallows (it doesn't considers the cannon!last battle, as well as the epilogue).
Main characters and/or Ship → Hermione Granger & Harry Potter.

This is the first time that I'm translating one of my fics (the original in Portuguese), so if you find any grammatical error or misused vocabulary, I would be immensely grateful if you let me know! (and I know there are mistakes, I just do not know to correct them...)



 
After the battle of Hogwarts, after the dead had been counted and the injured sent to the hospital wing, after embracing friends and consoling Mrs. Weasley, after all that, Hermione allowed herself to sigh.

Sitting on the first step of the staircase leading to the main entrance of the castle, the girl - if anyone can refer to her that way, after all she had gone through - had a privileged view of the battlefield.

The green grass was stained with red in several places. Green and red, the colors of the war - the two most used spells in this madness: the curse of death and Stupefy. The eyes of the boy who survived once more and the color of blood – of both friends and enemies that fell during their journey.

Hermione was sure that, for many nights, she will only see scenes in green and red as she closes her eyes to receive Morpheus in her arms, until the enchanted dust of the Endless was deposited on her mind. She would never forget the feeling of seeing those colors coming out of her own wand.

Long ago, she would never imagine herself capable of producing a curse of death, after all, to achieve such a feat is necessary to desire the death of another person and Hermione was nothing but a fierce defender of life - whosesoever. But she was wrong. Only when the ugly face of war has been shown to her is that Hermione could truly understand what she was capable of.

War is war. Your life or that of your enemy – the life of your enemy or that of your friend. The choice is really simple to make, but the feeling that stays afterwards is the emptiness, the horror of realizing that with just two simple words you can make someone disappear: someone who may have believed in intolerance, but that had a father, a mother, even maybe wife and children who will mourn for his lost life. It was the feeling of deleting permanently a piece of history that could have been from the list of possibilities.

She sighed again.

She almost envied those who could never create a death curse, not even to save their own lives - Ron, for example, never could... Most of the Death Eaters couldn't, either - not that they weren't dangerous, after all there are easier ways to kill someone...

Avada Kedavra, between the three unforgivable curses, is the one that requires more power. Words and intent aren't enough, it is necessary to channel the magic for it to enter deep enough in the other person so that his soul may be removed by force. It’s not a nice feeling.

And Hermione would have to live the remaining of her life with the knowledge that she was capable not only of the intent needed to make the words avada kedavra become deadly, but also of the necessary power. She feared that he could not control her power with her ethical sense.

A shadow came up behind her and Hermione had to concentrate not to draw her wand and attack the newcomer. But the smell of him was known and she felt her shoulders relax when Harry sat down beside her.

The two fell silent for a while staring at the garden of horrors that once guarded what could be called memories of childhood adventures if they were to be compared to the horrible memories of the night that was finally over.

He hit his left shoulder on hers right:

“Everything Okay?”

She looked at him incredulous and Harry had the decency to appear embarrassed by the question itself.

Green eyes found brown - eyes that held the secret of shared pain, of so many misadventures lived together and of the capability of being anything and everything. Of the power that flowed through their veins.

At that moment Hermione was sure that Harry would be the only one who would understand her. All the terrors of that year were spent together, and that way they remained, even when Ron left.

“You were awesome in battle, Harry.”

He blushed at the compliment and she loved him more than ever for it: when you see a man who killed as many people as you in a bloody battle field just a few hours ago blush because of a mere compliment, your faith in humanity is restored. Hermione was not stupid enough to think that everything would be fine, but part of the void that she felt was been filled by the soft and warm feeling of friendship for that boy.

“You too, Hermione.”

Neither mentioned the Unforgivable Curses that the other had thrown, but they knew: Harry had seen Hermione cast a Cruciatus against Bellatrix when the Death Eater had fellen - and she had allowed herself to smile briefly when she saw the pain of the woman who once had her at the tip of her dagger.

Hermione knew that Harry had bewitched Lucius with an Imperius to make him take a false message to Voldemort and that, before removing the spell, made him disrobe of the cape and mask that guaranteed his protection and anonymity, while making him kneel at Ginny’s feet and apologize for what happened in the Chamber of Secrets, as she kicked him and Harry held the spell to allow the girl her little revenge.

They knew that they were capable of casting the killing curse, and could see their powers reflected in one another's eyes.

How could life be normal again? Harry broke the silence:

“So you and Ron...?”

It was her turn to blush, that had been a mistake.

“Actually, I think it was just despair, Harry... Adrenaline does strange things to us, doesn't it? I just hope he understands.”

“The risk of dying too.” He said laughing and thinking about Ginny.

Both knew that the Weasleys could never be what they needed. How could they be? While they were fighting, Ginny was in school serving detention with Hagrid (not that the school was a sanctuary that year, but it still was a place with authority figures that took the war from the shoulders of the youngsters most of the time). And Ron, well, Ron had abandoned them. Hermione still wasn’t sure she could forgive him for that. Now that the hard time had passed, the resentment left a bitter taste in her mouth.

“Has anyone fetched Snape's body?”

“Headmaster Snape, Harry.” She corrected him, annoyed. Some things, apparently, never change.

"He never was my headmaster, Hermione, even if I now respect him for what he was willing to do and sacrifice."

Another vestige of the war: they had noticed that no one was sacred and no one was all evil, except perhaps the Dark Lord, but Hermione still had her doubts, she was almost sure that a good psychiatrist could have prevented Tom Riddle from becoming Lord Voldemort.

“The headmaster asked one of the rescue teams to search the Shrieking Shack. They must have already found the body by now.” Hermione wasn’t sure, but neither she had any intention of getting up from where she was to help anyone.

“You know, I feel bad for him. Now he would be finally free to live without having to comply with both Headmaster Dumbledore’s and Voldemort’s will... And all that time he spent protecting me only to discover that I would probably die in the end. He should have survived.”

Hermione looked at the Whomping Willow in the distance. She agreed with Harry, but...

“I don’t know, Harry. Actually, I think it was a relief for him to die. I have a feeling that the professor didn’t expect to survive this battle, and if he had survived, he couldn’t live a normal life. He spent too much time pretending to be someone he wasn’t...”

“Yeah, he has spent almost his entire life fighting.” Harry added. Both knew the addendum that was on the tip of the tongue of the other: "as we did." Will they one day be able to have a normal life after spending the entire adolescence in the midst of a war in which they were two of the main characters?

Hermione sighed again and they exchanged a sad look.

Green eyes stared at the bloody lawn.

Hermione could see the similarities between Harry and Voldemort, but to her the differences were so great that it seemed ridiculous the chance of him one day becoming something like the monster they had finally defeated.

But life would never be normal for them both. Not with so much power that the air practically vibrated around them. Hermione felt a pang of fear: she only felt the air tremble that way around the late Headmaster and the Dark Lord.

Green eyes met hazel again. She could see in him the fear of being unable to contain himself. The fear that she would not be able to contain herself. She knew she could never abandon him. She felt that he would never leave her too, after all only they could understand each other. They were weakened by war, but, even so, they were more powerful than any wizard could imagine.

At that moment she vowed, before the bloody fields, among the colors of the war, that she would help him remain sane and that she would do the impossible not to succumb to her own darkness.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Fanfiction

Esse post é uma reprodução desse aqui, postado no meu blog principal =)


A idéia para esse post surgiu um tempo atrás, quando percebi que em alguns dos outros posts eu acabei usando termos do universo das fanfics. Além disso, volta e meia eu leio alguma fanfic tão boa que fica aquela vontade de postar como indicação para quem quiser ler. E, finalmente, o post é dedicado à Carol - hope you find it enlightening =)

Fanfiction, ou fanfic, como a própria palavra diz, nada mais é do que uma história de ficção escrita por um fã. Segundo a Wikipedia, "fan fiction (alternately referred to as fanfiction, fanfic, FF, or fic) is a broadly-defined term for fan labor regarding stories about characters or settings written by fans of the original work, rather than by the original creator".
O universo das fanfictions é imenso - tão imenso quanto o das histórias publicadas, dos filmes, das séries de TV... Cada qual com o seus fãs e, entre esses, aqueles que têm certa habilidade para a escrita e que, por isso, resolvem desenvolver a sua história favorita em uma nova direção ou reescrever certa parte ou, ainda, olhar a narrativa de um ângulo diferente, trocando o narrador. As possibilidades para essas histórias são infinitas, mesmo que contidas dentro de um universo pré-estabelecido.
Eu não me lembro qual foi a primeira fanfic que li exatamente, mas apenas o contexto: o quarto livro do Harry Potter tinha acabado de sair e eu, como boa fã, estava desesperada para saber o que iria acontecer no próximo livro da série. Como eu sempre gostei de spoilersfui procurar fofocas sobre o Harry Potter e a Ordem da Fênix (na época não tinha nome divulgado ainda) e achei uma história que se dizia ser o quinto livro. Claro que não era - e eu descobri isso já no primeiro capítulo, porque somente autores muito bons conseguem reproduzir o estilo original de uma forma convincente.
Aquele "livro" me deixou intrigada: existiriam outras histórias como aquela? A resposta é obviamente um 'Sim!' ou eu não estaria escrevendo esse post, não é?
E, por muito tempo, Harry Potter foi o único canon (ver abaixo =) que eu li. Hoje, já não sou mais exclusivista (haha), mas a influência ficou, então os meus exemplos aqui são, na maior parte, das fics sobre o universo HP.

Como todos as comunidades, os escritores/leitores de fanfics têm uma linguagem própria (alguns termos técnicos, haha) que podem dificultar a vida do newbie. Portanto, aqui vai um pequeno dicionário:

Termos gerais
Spoiler → esse termo não pertence ao universo das fanfics, mas como eu já o havia utilizado anteriormente sem explicar, aqui vai: do inglês para aquele que estraga, define revelações de fatos importantes da trama de obras como filmes, televisão, livros e jogos, que, na maioria das vezes, prejudicam ou arruínam a apreciação de tais obras pela primeira vez.
Newbie → termo geral da internet para designar alguém que é novo em um universo (é a abreviação de new boy).
Fandom → é a comunidade de fãs de uma determinada história, determinado personagem, casal etc.
Canon → nada mais é do que a história original: fatos, nomes, personalidades. Tudo o que o autor/criador deixou implícito ou explícito no seu material e que é utilizado para basear as fanfics. Pode ser usado na sua forma contrária ("non-canon") para designar fanfictions que fogem totalmente do original (ou que, a partir de um momento da história, param de considerá-lo).
Fanon → é tudo aquilo que não pertence à história original, mas, que de tão usado pelo fandom, acaba se tornando lugar-comum e é aceito como quase-realidade dentro da história.
A/N → normalmente vem no começo ou no final de um capítulo para designar uma nota do autor (Author's note).
R&R → abreviação para read and review, ou seja, um pedido do autor para que o leitor deixe um comentário sobre a fic depois de ler.
Warning → são os avisos que o autor coloca em seu sumário para indicar quais são os elementos da sua trama (exemplo: TT - time travel).
WIP → sigla para work in progress, é utilizado para designar aquelas fics que ainda estão sendo escritas (os autores usam essa sigla para os leitores não ficarem comentando coisas do tipo: "onde está o próximo capítulo???!", hahaha).
Prequel → uma fic que conta o que aconteceu antes (seja antes do Cannon ou antes de outra fanfic do autor).
Sequel → uma continuação de outra fic.
One-shot → fic de um só capítulo.


Sobre os personagens ou relacionamentos
Ship → vem da palavra relationship e, normalmente, define o par principal da história, sendo que eles podem ter qualquer tipo de relação (romântica, parental, amizade). O mais provável, porém, é o ship ser definido por uma relação romântica. Normalmente vem definido no resumo da fic com a fórmula 1ºpersonagem/2º personagem (exemplo: Harry e Gina - HP/GW). Outro termo derivado é o "shipper", que define o grupo de fãs de uma relação em particular.
Name Smooshing → é uma outra forma de sinalizar o ship da história, combinando o nome dos personagens (exemplo: Draco e Hermione - Dramione). Em alguns casos, os mesmos personagens podem ter abreviações diferentes dependendo do tipo de relação que eles compartilham na fic, como é o caso das histórias que têm Harry e Snape nos papéis principais (Snarry: relação romântica; Severitus: relação paternal ou mentor-protegido).
Het → indica que a relação amorosa principal da fic é heterossexual.
Slash → também chamado de yaoi (slash masculino) ou yuri (slash feminino ou femslash),  indica que a relação amorosa principal da fic é homossexual.
Gen → abreviação de general. É uma fic sem par principal ou, simplesmente, não-romântica. Também é usado quando o autor não consegue definir o estilo da fanfic. As fics não-românticas que giram em torno de um personagem principal também podem ser definidas pelo nome do personagem seguido por centric (exemplo: hermione-centric).
OC → sigla para original character, ou seja, sinaliza a presença de um personagem estranho ao canon (criado pelo autor da fic).
OOC → sigla para out of character. É utilizada quando o comportamento das personagens difere daquele presente no original.
IC → sigla para in character, é o oposto de OOC (na minha opinião, não faz o menor sentido, já que o autor somente precisa avisar os leitores se o seu personagem diferir do canon e não o oposto...).
SI → sigla para self insert. Ocorre sempre que o autor se coloca dentro da fanfic.
Mary Sue → normalmente esse termo é utilizado pejorativamente para caracterizar personagens que são muito poderosos, muito bons, muito tudo. É um erro muito comum (pode ser intencional, mas é raro) cometido pelos autores que colocam OCs em suas fics.


Sobre os elementos da narrativa
AU → sigla para alternate universe (pode também ser definido como AR: alternate reality). Define as fics que variam muito do canon, retirando ou acrescentando algum elemento essencial (como em uma fic HP em um universo sem magia). Possui alguns derivados, como as fics AH, ou all human (exemplo: uma fic de Twiligt na qual todos os personagens sejam somente humanos).
AT → sigla para alternate timeline, histórias nas quais os personagens estão no passado ou no futuro. Caso ocorra uma mudança da linha do tempo inicial para outra dentro da fic, passam a ser designadas TT (time travel), um gênero muito comum nas fics HP, devido à existência dos "vira-tempos" (time turners) no canon.
POV → sigla para point of view. É normalmente utilizado em histórias escritas em 1ª pessoa para sinalizar o narrador-personagem (falei bonito agora, hen? ^.^). Algumas histórias têm diferentes POVs e é costumeiro que o autor coloque o nome do narrador-personagem no início do capítulo ou trecho correspondente.
UST → sigla para unresolved sexual tension - não precisa de explicação, né?
Lemon & Lime → lemon indica a presença de cenas mais explícitas de sexo, já o lime indica a presença de cenas um pouco mais leves, mas ainda dentro do espectro de cenas "restritas para menores".

Gênero da fanfiction
H/C → sigla para hurt and confort: são aquelas fics nas quais um personagem sofre e o outro conforta.
Fluff → são aquelas fics fofas, que te deixam com uma agradável sensação de conforto.
PWP → sigla para Plot? What plot? ou Porn without a plot, ou seja, histórias eróticas sem muito enredo.
Crossover → fics que misturam mais de um canon (normalmente elas dão muito, mas muito, errado - mas, às vezes, dá pra encontrar uma incrível e acabam se tornando as minhas favoritas <3).
Dark → histórias que exploram o lado sombrio do canon/fanon.
Songfic → fics baseadas em letras de música.
Angst → são fics tensas, caracterizadas pelo sentimento de medo ou angústia (leu O Processo do Kafka? Então...).
Challenge fics → fics cujo tema foi proposto por outra pessoa em uma espécie de festival ou campeonato (um tipo comum no canon HP é a Marriage Law fic).


Ratings
Rating → é a "classificação" indicativa da fic. Para falar a verdade, não faço a menor idéia da onde surgiu esse sistema, mas é o mais utilizado por aí, então (anh, sim, adaptei as idades para os padrões brasileiros)...:
NC-17 → apenas para maiores de idade (pode conter sexo explícito, tortura, violência gratuita etc e tal).
R → contém cenas mais fortes e é indicado para aqueles acima de 16 (na verdade, somente podem ler aqueles menores autorizados por seus responsáveis, mas as fics estão na internet, então eu duvideodó que alguém vá pedir autorização).
PG-13 → maiores de 14 anos.
PG → mesma coisa do R-rated: menores de 14, somente com autorização.
G → liberado para qualquer leitor.

Agora que a terminologia já foi basicamente explicada (claro que existem termos que não estão aqui, mas é só dar um google que você consegue achar explicação para tudo nessa vida!), vamos aos arquivos de fanfictions (ou seja, os sites nos quais você pode encontrar alguma coisa para ler). Só para avisar, existem 359215896x arquivos de fanfics por aí (e ainda as páginas pessoais dos autores), eu vou listar apenas os maiores e os que eu mais acesso.

Fanfic.net → é, sem dúvida o maior e o mais famoso. Gosta de algum canon em particular? Harry Potter? Star Wars? Fantasma da Ópera? ...E o vento levou? Supernatural? Tem lá. (link) Todas as línguas.
AdultFanfiction.net → é a versão "proibida para menores" do Fanfiction.net (mas eu acho que não são os mesmos organizadores...). Vários canons, mas não todos. (link) Todas as línguas (acho).
Sycophant Hex → somente fanfics e fanarts Harry Potter. Entre os arquivos (eles separam os arquivos por ship, na maioria), o maior é, sem dúvida, o Ashwinder (Hermione/Snape). (link Sycophant) (link Ashwinder) Somente em inglês.
Granger Enchanted → arquivo de fics Harry Potter que somente aceita histórias que tenham a Hermione como personagem principal. (link) Somente em inglês.
Floreios e Borrões → arquivo de fics Harry Potter em português. (link)
Em todos esses arquivos, podem ser encontradas fics incríveis e fics horrorosas - o "olho clínico" para excluir os pequenos desastres logo de cara somente pode ser desenvolvido com o tempo, infelizmente.

Bom, é isso basicamente. Em breve, algumas indicações de boas leituras =D

E, para quem estiver curioso, minha página no fanfiction.net.

quinta-feira, 4 de março de 2010

Vermelho como Sangue (1/?)

Título → Vermelho como Sangue
Sumário → Devido a um acidente, Hermione se vê obrigada a mudar para as Masmorras. Quando tudo parecia sem solução, Snape surge com uma luz.
Status → WIP.
Categoria → Romance, Aventura.
Rating → PG-13.
Spoilers → HP & A Ordem de Fênix. 
Principais personagens e/ou Ship → Hermione Granger & Severus Snape.




Parte I

Corria sem olhar para trás. Não havia nenhum comensal da morte naquela direção, ela sabia disso. Mas a sensação de estar sendo seguida não ajudava muito.

Apoiou-se no tronco de uma árvore enquanto decidia qual direção tomar. Resolveu seguir para a esquerda, onde podia distinguir uma pequena claridade.

Odiou-se por ter se separado de Harry e Rony, mas quando aquele raio laranja quase acertou sua cabeça, sua primeira reação foi correr o mais rápido que pode. E agora lá estava ela, no meio da Floresta Proibida, sozinha.

Ouviu um barulho de asas e virou-se assustada.

Um par de olhos frios. Tentou correr, mas suas pernas não lhe obedeceram.

A última sensação que teve antes de desmaiar foi a do frio que aqueles lábios emanaram em seu pescoço.



- Será que ela ficará bem, Albus?

- Espero que sim, Minerva... Poppy está fazendo um ótimo trabalho. Mas nós não conseguiremos remover a maldição, você sabe, não é?

Hermione abriu os olhos vagarosamente. Havia uma luz incomoda no ambiente, refletida pelos lençóis brancos da enfermaria.

- Alguém poderia, por favor, fechar um pouco as janelas? Meus olhos doem.

- Anh, querida, você acordou! – Madame Pomfrey disse, colocando um termômetro na boca da garota, enquanto Dumbledore fechava as cortinas com um aceno de varinha.

- Como eu cheguei aqui?

- Harry e Rony encontraram você desmaiada na Floresta pouco depois da batalha terminar. Eles também acabaram se perdendo e, graças a Merlin, foram na mesma direção que você. – disse Minerva enquanto esticava os lençóis com as duas mãos, como se quisesse os deixar o mais liso possível.

- Eu não consigo lembrar porque desmaiei... A última lembrança que eu tenho são de dois olhos azuis, frios... E aquelas mãos geladas no meu – Hermione levantou da cama num só gesto. O horror percorrendo seu olhar enquanto ela juntava as peças daquele quebra-cabeça. – Eu quero um espelho!

- Querida, realmente, eu acho melhor você voltar para a cama e tomar essa poção para poder descansar. – disse uma Madame Pomfrey com cara de quem sabia que a reação da menina seria aquela desde o início.

- Eu disse que eu quero um espelho e eu quero agora! – Hermione não costumava gritar com professores, mas no estado emocional em que se encontrava, não ligava muito se tirassem seu cargo de monitora-chefe por isso.

- Melhor assim, Poppy... Entregue logo um espelho para ela.

Quando ela recebeu o espelho em suas mãos, não deteve seu olhar nos cabelos revoltos, como era de costume. Procurou seu pescoço, tocando-o com os dedos. Havia uma marca no seu pescoço. Uma que ela sabia muito bem o que significava.

Sentou-se na cama, abraçando os joelhos. Não iria chorar, sabia que não era mais capaz disso.

- E agora, diretor? O que eu vou fazer? Eu não serei expulsa, serei?

- Não, Srta. Granger, claro que não. Mas nós achamos que a senhorita não poderá mais ficar nos seus aposentos na Torre da Grifinória.

- Não fique assim, querida. – disse Minerva, colocando um braço ao redor das costas da garota – Nós não vamos mudá-la porque não confiamos no seu autocontrole... Mas porque a luz daquela parte do castelo certamente começaria a machucar seus olhos. Seu novo quarto será num lugar com menor luminosidade.

Hermione olhou para a Chefe da sua Casa com uma expressão de horror. Não, certamente não poderia ser...

- Vocês vão me mudar para as masmorras?

- Achamos que é o melhor para você, querida...

- Eu não vou ter que mudar para a Sonserina também, vou? – disse com uma voz amarga.

O diretor riu:

- Claro que não, Srta. Granger... Porém é provável que você comece a se sentir muito mais confortável entre os sonserinos do que entre os grifinórios a partir de agora...

- Nunca! – disse ela, com uma face chocada, como se o diretor tivesse acertado um tapa em seu rosto.

- Isso realmente não importa, querida. – disse Minerva, colocando um vidro de poções em suas mãos – Agora beba isso e descanse.

Interlúdio (1/1)



Título → Interlúdio
Sumário → Depois da grande batalha de Hogwarts, Hermione se permitiu suspirar.
Status → Completa (oneshot).
Categoria → Gen.
Rating → PG-13.
Spoilers → HP & As Relíquias da Morte (desconsidera o epílogo). 
Principais personagens e/ou Ship → Hermione Granger & Harry Potter.


Depois da grande batalha de Hogwarts, depois que os mortos já haviam sido contados e os feridos encaminhados à Ala Hospitalar, depois de abraçar os amigos e consolar a Sra. Weasley, depois de tudo, Hermione se permitiu suspirar.

Sentada no primeiro degrau da escadaria que levava à entrada principal do castelo, a garota – se é que alguém possa se referir a ela dessa forma, depois de tudo que ela passara – tinha uma visão privilegiada do campo de batalha.

A grama verde estava manchada de vermelho em vários lugares. Verde e vermelho, as cores da guerra – dos dois feitiços mais utilizados nessa loucura: o feitiço da morte e o estupefaça. Os olhos do garoto que sobreviveu mais uma vez e a cor do sangue – tanto dos amigos quanto dos inimigos que ficaram pelo caminho.

Hermione tinha certeza que, durante muitas noites, ao fechar seus olhos para receber em seus braços Morfeus, somente iria ver cenas em verde e vermelho, até que a areia encantada do Eterno fosse depositada em sua mente. Ela nunca iria esquecer a sensação de ver aquelas cores saindo de sua própria varinha.

Tempos atrás, ela nunca iria se imaginar capaz de produzir um feitiço da morte, afinal, para conseguir tal façanha é necessário desejar a morte de outra pessoa e Hermione não era nada senão uma ferrenha defensora da vida – seja de quem for. Mas ela estava errada. Só quando a feia face da guerra se mostrou para ela é que Hermione pode realmente entender do que era capaz.

Guerra é guerra. A sua vida ou a dos seu inimigo – a vida do seu inimigo ou a do seu amigo. A escolha é realmente simples de ser feita, mas o sentimento que fica depois é o de vazio, de horror ao perceber que com duas meras palavras você é capaz de simplesmente sumir com alguém: uma pessoa que pode ter acreditado na intolerância, mas que teve um pai, uma mãe, quem sabe mulher e filhos que irão chorar por sua vida perdida. Era o sentimento de riscar uma parte da história que poderia ter sido permanentemente do rol de possibilidades.

Ela suspirou novamente.

Quase sentia inveja daqueles que nunca poderiam criar um feitiço da morte, nem ao menos para salvar suas próprias vidas – Ron, por exemplo, nunca conseguiu... A maioria dos Comensais da Morte não conseguiam também – não que eles não fossem perigosos, afinal existem maneiras mais fáceis de matar...

Adava Kedavra, entre as três maldições imperdoáveis, é a que exige mais poder. Não bastam apenas as palavras e o intento, é preciso canalizar a mágica para que ela entre fundo o suficiente na outra pessoa para que sua alma possa ser retirada a força. Não é um sentimento agradável.

E Hermione teria que conviver pelo resto da vida com o conhecimento de que era capaz não só do intento como do poder necessário para fazer com que as palavras avada kedavra se tornem mortais. Ela temia que não conseguisse controlar o seu poder com o seu senso ético.

Uma sombra se aproximou por trás dela e Hermione precisou se concentrar para não sacar sua varinha e atacar o recém chegado. Mas o cheiro dele era conhecido e ela sentiu seus ombros relaxarem quando Harry sentou-se ao seu lado.

Os dois ficaram mudos durante algum tempo olhando para aquele jardim de horrores, que antes guardava memórias de aventuras semi-infantis se comparadas às horríveis lembranças da noite que finalmente acabara.

Ele bateu seu ombro esquerdo no dela:

- Tudo bem?

Ela o olhou incrédula e Harry teve a decência de parecer envergonhado pela própria pergunta.

Olhos verdes acharam castanhos – olhos que guardavam o segredo da dor compartilhada, de tantas desaventuras vividas juntos e da possibilidade de serem qualquer coisa, tudo. Do poder que corria pelas suas veias.

Naquele instante Hermione teve a certeza que Harry seria o único que iria entendê-la. Todos os terrores daquele ano foram vividos juntos e assim eles permaneceram, mesmo quando Ron foi embora.

- Você foi incrível na batalha, Harry.

Ele corou com o elogio e ela o amou mais do que nunca por isso: quando você vê um homem que matou tantas pessoas quanto você em um campo sangrento de batalha há apenas algumas horas corar por causa de um mero elogio, sua fé na humanidade se restaura. Hermione não era tola o suficiente para achar que tudo ficaria bem, mas uma parte do vazio que estava sentido foi preenchido pelo sentimento macio e quente da sua amizade por aquele garoto.

- Você também, Hermione.

Nenhum dos dois mencionou as maldições imperdoáveis que o outro havia lançado, mas eles sabiam: Harry vira Hermione lançar um cruciatus contra Bellatrix quando a comensal estava caída e ela havia se permitido sorrir brevemente ao ver a dor daquela mulher que um dia a tivera na ponta de sua adaga.

Hermione sabia que Harry havia encantado Lucius com um imperius para levar uma mensagem falsa para Voldemort e que, antes de retirar o feitiço, fez com que ele retirasse a capa e a máscara que garantiam sua proteção e anonimato, antes de fazê-lo ajoelhar aos pés de Gina e pedir desculpas pelo acontecido na Câmara Secreta, enquanto ela o chutava e Harry segurava o feitiço para permitir à garota a sua pequena vingança.

Eles sabiam-se capazes da maldição da morte e podiam ver seus poderes refletidos um nos olhos do outro.

Como a vida poderia ser normal novamente? Harry quebrou o silêncio novamente:

- Então, você e o Ron...?

Foi a vez dela corar, aquilo havia sido um erro.

- Na verdade, acho que foi só desespero, Harry... Adrenalina faz coisas estranhas com a gente, não é? Só espero que ele entenda.

- O risco de morrer também – disse ele rindo e pensando em Gina.

Ambos sabiam que os Weasleys nunca poderiam ser aquilo que eles precisavam. Como eles poderiam ser? Enquanto eles estavam lutando, Gina estava na escola servindo detenção com Hagrid (não que a escola fosse um santuário naquele ano, mas, ainda assim, era um lugar com figuras de autoridade que retiraram a guerra das costas dos jovens na maior parte do tempo). E, Ron, bom, Ron havia os abandonado. Hermione ainda não tinha certeza se poderia perdoá-lo por isso. Agora que o sufoco passara, o ressentimento deixava um gosto amargo em sua boca.

- Alguém já foi buscar o corpo do Snape?

- Diretor Snape, Harry – ela o corrigiu, contrariada. Algumas coisas, pelo visto, nunca mudavam.

- Ele não foi meu diretor, Hermione, por mais que agora eu o respeite pelo que ele estava disposto a fazer e a sacrificar.

Outro resquício da guerra: eles haviam percebido que ninguém era sagrado e ninguém era de todo o mal, a não ser, talvez, o Lorde das Trevas, mas Hermione ainda tinha suas dúvidas, ela tinha quase certeza que um bom psiquiatra poderia ter evitado que Tom Riddle se tornasse Voldemort.

- A diretora pediu para um dos grupos de resgate vasculhar a Casa dos Gritos. Eles já devem ter encontrado o corpo a essa hora – Hermione não tinha certeza, mas também não tinha a menor intenção de se levantar da onde estava para ajudar ninguém. Ela estava esgotada.

- Sabe, eu me sinto mal por ele. Agora finalmente ele estaria livre para viver sem ter que cumprir a vontade nem do diretor Dumbledore, nem do Voldemort... E todo aquele tempo em que ele passou me protegendo só para descobrir que eu provavelmente morreria no final. Ele deveria ter sobrevivido.

Hermione olhou para o salgueiro lutador ao longe. Ela concordava com Harry, mas...

- Eu não sei, Harry. Na verdade, acho que foi um alívio para ele morrer. Tenho a sensação que o professor não esperava sobreviver a essa batalha e, se ele tivesse sobrevivido, não saberia viver uma vida normal. Ele passou muito tempo fingindo ser quem ele não era...

- É, ele passou praticamente a vida inteira lutando – Harry completou. Ambos sabiam qual era o adendo que estava na ponta da língua do outro: "assim como nós". Será que eles um dia conseguiriam ter uma vida normal depois de passar a adolescência inteira no meio de uma guerra em que eram dois dos principais personagens?

Hermione suspirou mais uma vez e eles trocaram um olhar triste.

Olhos verdes fitaram o gramado sangrento.

Hermione conseguia ver as semelhanças entre Harry e Voldemort, mas para ela as diferenças eram tão grandes que parecia irrisória a chance de ele um dia tornar-se algo parecido com aquele monstro que eles finalmente haviam derrotado.

Mas a vida nunca seria normal para ambos. Não com tanto poder que o ar praticamente vibrava ao redor deles. Hermione sentiu uma ponta de medo: ela somente sentira o ar tremer dessa forma ao redor do falecido diretor e do Lorde das Trevas.

Olhos verdes encontraram castanhos novamente. Ela podia ver nele o medo de não conseguir se conter. O medo que ela não conseguisse se conter. Ela soube que nunca poderia abandoná-lo. Ela sentiu que ele também nunca a abandonaria, afinal apenas eles conseguiriam entender um ao outro. Eles estavam debilitados pela guerra, mas eram mais poderosos do que qualquer outro mago poderia imaginar.

Naquele momento ela jurou, perante os campos sangrentos, em meio às cores da guerra, que ela iria ajudá-lo a permanecer são e ela iria fazer o impossível para não sucumbir as suas próprias trevas.